Ralouím

Ralouím é o cacete.
Monix, aderindo

Lost in Translation

Existe um ditado, traduttore, traditore, querendo dizer, basicamente, que todo tradutor é no fundo um traidor do texto original. O que não deixa de ser uma verdade profunda.

Mas no caso dos títulos de filmes americanos lançados no Brasil, há muitos anos venho observando, com o auxílio luxuoso del maridón, que muitas vezes a loucura dos tradutores supera a secura do título original. Vejam só alguns exemplos que colhemos ao longo do tempo:

Giant / Assim Caminha a Humanidade (quem viu o filme pode entender a riqueza da metáfora na tradução)
Sunset Boulevard / Crepúsculo dos Deuses (outro achado inigualável)
The Maltese Falcon / Relíquia Macabra (que medo!)
The Sound of Music / A Noviça Rebelde (esse é praticamente um “Filho que Era Mãe”, hohoho)
Vertigo / Um Corpo que Cai (esse é outro)
Gone with the Wind / …E o Vento Levou (uma sutil diferença, reforçada pelas poéticas reticências no início)
Easy Rider / Sem Destino (aqui a sutileza também é quase poética)
The Godfather / O Poderoso Chefão (ninguém daria crédito a um Dom Corleone que se auto-intitulasse O Padrinho)
Annie Hall / Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (que pérola da criatividade!)

Nossa, poderia prolongar a brincadeira indefinidamente. Quem lembrar de mais algum, fique à vontade para deixar sua contribuição aí na caixinha de comentários. Está lançado o desafio.

Monix, mudando de assunto para alívio da meia dúzia de leitores que não fazem parte da panelinha-blogueira-de-sempre

Ei, você aí

É, você mesmo, aí na frente do computador, navegando a esmo pela internet. Já pensou em fazer alguma coisa útil em vez de ficar só blogando aqui e ali? Conhece o curso da FalArte através da História, gente, é uma coisa de louco. Ninguém pode continuar vivendo sem fazer esse curso. Sério mesmo.

|Monix|

Revoguem-se todas as disposições em contrário

Aos vinte e oito dias de outubro do ano da graça de dois mil e quatro, nesta mui leal e heróica cidade de São Sebatião do Rio de Janeiro, nosostras, auto-denominadas amighans, reunidas na Glória – o bairro e o estado de espírito – entre cocaiáites e caipirinhas (as últimas desta escriba, Helê Pessoa) -; decidimos: outorgar a Juliana Sampaio – Vitral por amor e convicção – o título de cidadã carioca.

Tamanha honraria deve-se não apenas em razão de seu aniversário e da longa folha corrida de serviços prestados à mothernidade carioca, mas também à total identificação com a Maravilhosa. Senão, vejamos:

Juliana é bem-humorada, é cb – sangue bom; generosa e geniosa; bem-humorada; “ixxxxperta”; boa de garfo e de copo; disponível e desfrutável (hum!); bem-humorada; linda e leve; gosthosa, descolada e desbocada, bem-humorada; além de ter nascido no dia do glorioso São Judas Tadeu, padroeiro do não menos glorioso Flamengo (justificativa feita sob protesto da Monix e da Dedéia).

Isto posto, considere-se o título concedido, mediante visita para homologação e merecida celebração.

Outorgam: Helê Pessoa, Rê, ::Fer::, Dedéia e Ângela – de corpitchos presentes- ; Monix e Dani – harmonicamente

Cotação máxima

Tá, eu sou meio chorona (ou chorona e meia). É, eu admito que ando ainda mais emotiva ultimamente (Carente, eu???????). Mas na sexta à noite o Douglas Silva extrapalou. Como sempre, ele/Acerola e o Darlan Cunha/Laranjinha me divertiram e emocionaram muito no seriado ‘Cidade dos Homens’ com suas aventuras ingênuas, cruéis, ágeis, cariocas. Mas o ápice foi a cena em que o Acerola chega no hospital e pega nos braços o filho recém-nascido. A expressão de seu rosto tomada pelo mais absoluto pavor diante da responsabilidade por aquela vidinha a partir daquele momento… Chorei muito – chorei por compaixão, chorei solidária, chorei de lembrar… Porque eu desconfio que qualquer um que pegou o filho nos braços pela primeira vez, de qualquer idade ou classe social, entende exatamente o que o Acerola sentiu naquela hora.

Helena Costa

KaleisocópioBloggeteTorporFazendo Gênero… e eu.
Sumpaulo nunca mais será a mesma.

|Monix|

Domingo, Outubro 24, 2004

Depois que fui mãe, passei a dar muuuuito valor a um bom hotelzinho simpático, toalhas novas, comida no quarto, pequenos mimos.
|Monix|

1:17 PM

%d bloggers like this: