Concreto

11237bcac044710eedd27146d1272252

Da série Corações

Helê

Cerebral

0b6a7963b6dfdbae2915483581e01e1f

(Salvo por Ariel Thilly)

Da série Corações

Helê

 

Casais

 

Cada vez que eu olho o post as imagens aparecem numa ordem diferente (?!), então vou identificar as imagens sem considerar a posição que ocupam: casal ao lado da janela com árvore: Clare Elsaesser; casal de pé:  Venus and Sailor, Salvador Dali; casal no banco de praça: Impulsive“, Ron Hicks; casal de costas:  Raphael Perez; casal no sofá:  Imageof1love; casal com mulher ruiva:  Joshua Bronaugh.

Sem querer, acabei fazendo um exercício interessante de identificação…

Helê

Troféu

b8fd521310ce0d94fc88d1f8b5bbecb6

(Etsy)

Da série Corações

Helê

 

Monix day – edição 2016

tumblr_nww46crPf91rsbo1mo1_500

 

O que faz uma morena linda e gostosa dançando no Dufas em plena segunda-feira? Comemora o aniversário de outra, ou melhor, de la Otra: a minha, a sua, a nossa Monix! Ok, não é uma morena qualquer, é Sophia Loren, mas tão pouco a nossa é gente de somenos importância. Muito pelo contrário: ela é demais, extraordinária mesmo, como diria o já citado urso Balu. Então vamos celebrar com abraços e carinhos e beijinhos sem ter fim, além de comentários por aqui, certo?

Lindona, mi sóciamada, pra você tudo de bom e de boas, assim mesmo no plural farto como você merece! Aliás, taí uma boa coisa pra desejar, se me for dado apenas um desejo: fartura pra você, taurina querida, de todas as formas, em todos os campos.

Feliz aniversário!

eef00f9e62c5064274f1b69d565eab95

Helê

 

Salve São Jorge! Valei-me!

53ee89b05953401ba2c389de0a2ba513

 

Tem fé que Jorge há de ajudar a todo povo brasileiro guerreiro!

Helê

 

Excluída

Domingo não quis acompanhar a votação sobre o processo de impítima da presidenta, não vi sequer uma imagem. Não quis passar por isso; achava que daria no que deu, e eu, sinceramente, quis me poupar. Bastou ter sido acordada às 11 e tanto da noite por sons que custei a compreender – a bem da verdade, não compreendo até agora, só lamento mesmo a burrice alheia.
Do que soube por amigos, a votação foi muitíssimo parecida com a do Collor, há 24 anos (a Velha Louca que toma conta da minha memória jura que isso tem uns 10 anos, 15 no máximo. A Matemática prova que passaram-se duas dúzias de anos; só me resta resignação e um longo suspiro). Naquela ocasião a gente debochou da mesma bizarrice de votar pelaminhamãe-meudeus-minhapropriedade, mas não deu muita bola porque o que importava era derubar o Collor. Fiquei com a impressão que erramos: devíamos ter reparado melhor nisso. 24 anos depois o Congresso parece não ter evoluído – pior, parece ainda mais bossal, rudimentar e descarado. Houve, em 92, quem falasse em militares, eles sempre tiveram representação legilativa. Mas o que se viu ontem ultrapassou qualquer limite da ética e da decência, foi deboche, escárnio contra uma pessoa que foi torturada e que ainda preside o poder executivo do país. (Falo daquele que não deve ser nomeado – não porque eu tenha medo, mas porque não se amplia a voz dos imbecis e nem se propaga o nome dos bossais.)
Do muito que li sobre ontem domingo, uma frase não me sai da cabeça e me corta o coração mais que a política rasteira e torpe que se pavoenou na tevê. Comentando um texto da minha mestra Maria Helena Ferrari, a Adriana Dutra disse: “O Brasil que a gente viu é o Brasil. Não somos o Brasil”. Talvez haja algum exagero na frase, um bocado de desesperança e uma boa dose de mágoa, mas me assusta pensar no tanto de verdade que há nessa conclusão.

12974509_1203239769693858_3050631708727982838_n

Desenho de Kleber Sales, via Ary Moraes

Helê

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 1.113 outros seguidores

%d bloggers like this: