De chumbo

590e9bf3f99eb92f588ca65ee7b97d5b

 

(Amy Li-Chuan Chang: Heart)

Da série “Corações”

Helê

Love lions

tumblr_mjr7hvPrXn1r38hk2o1_1280(funnywildlifeLion up close by Rivertay07 on Flickr. Chitwa Chitws Reserve, Limpopo, Sabi, Kruger, South Africa)

Mantendo a tradição, beijo para as leoninas e os leoninos leitores.

Ah, para quem curte: The Serengeti Lion.

Helê

Domingo no Harlem

Visitar o Harlem era para mim tão óbvio tanto quanto ver a Estátua da Liberdade ou correr no Central Park.  Na verdade, estranhei que entre as muitas sugestões que recebi poucas fizessem referência ao bairro. Tenho um fascínio reverencial por esse lugar mítico, o bairro negro do Teatro Apollo, de Malcom X, dos filmes do Spike Lee e dos cultos evangélicos com a melhor música ever. Admito e aviso: sei menos do que sinto; tenho mais percepções e intuições do que conhecimento cabal da história negra americana. Mas todo o debate sobre relações raciais no Brasil me parece diretamente influenciado pelas figuras e correntes americanas – Dr. King, movimento de direitos civis, Rosa Parks, Panteras Negras, Angela Davis, Black Power, Rap. As tramas e trilhas da minha negritude passam por muitos caminhos, entre eles os EUA, Nova York, Harlem. Um destino natural para qualquer um que queira vislumbrar uma parte importante da cultura americana. Eu tinha que ir como um muçulmano precisa ir à Meca ao menos uma vez na vida: peregrinar e “bater cabeça” para reverenciar uma história que me toca, e por isso também me pertence. Naquele lugar a palavra ‘diáspora’ finalmente assumiu um sentido familiar para mim.

Essas explicações e justificativas sociopolíticas consigo fazer agora, semanas depois, na carpintaria do texto. Não pensava em nada disso naquele domingo em que acordei cedo e escolhi a roupa adequada para ir ao culto, cuidando também para chegar cedo e pegar o serviço desde o começo. Para quem não sabe, algumas igrejas reservam uma parte dos assentos para visitantes, assegurando assim lugar para os membros da congregação. Isso gera filas nas igrejas mais disputadas, e não raro algum desentendimento porque há quem tenha muita dificuldade em entender porque, for Christ’s sake, não pode assistir a um culto de bermuda. Ou por que tem que esperar numa fila enquanto outros se acomodam sem dificuldade. Achando que jamais deixaria de ser o que de fato era, uma turista, tentei ser do melhor tipo: o respeitoso, atento aos códigos do lugar, como deve ser um bom visitante.

Meu primeiro desafio foi encontrar a igreja, não por falta, mas por excesso. Considerei que a Abyssinian, mais famosa, seria mais concorrida, então segui a dica imprecisa de uma amiga, que me falou de “uma na 116 St”. Foi como se ela tivesse falado de “uma barraca na praia”: são inúmeras, algumas coladas umas nas outras. A longa fila da Canaan Baptist Church of Christ me fez decidir por ela. Então eu, que tenho vergonha de furar fila até quando meu nome está na porta, respirei fundo e apenas entrei. Haviam me dito que eu simplesmente entrasse por onde entravam as pessoas da comunidade, já que, sendo negra, ninguém saberia que eu era uma forasteira. Passar a frente de todos aqueles brancos, ter preferência sobre eles foi algo novo e um tanto desconcertante.

Dentro da igreja, apurei ao máximo meu inglês, tentando não perder nada e fazer o esperado, seguindo a liturgia. Como eu imaginava, o culto é dinâmico, vibrante, sem monotonia. Há movimentação constante dos integrantes do coral, que entram e saem algumas vezes; havia vários oradores e logo descobri que aquele era um dia especial, o 82º aniversário da congregação. Exatamente como vi nos filmes, as pessoas dizem “Amem!” e “Aleluia!” quando concordam ou enfatizam algo que foi dito. Todos muito bem vestidos, predominando o vermelho e o preto, que pareciam ser as cores da congregação (ô sorte!). Um dos pastores, especialmente querido pela audiência, fez muitas piadas e numa parte do sermão, pude entender bem, fez referência a dons especiais citando apenas personalidades negras: “Claro que não posso cantar como Beyoncé, não posso jogar tênis como Serena, não posso fazer rap como Jay Z”. A música está presente o tempo todo, mesmo uma fala breve do pastor é sublinhada por um órgão suave ao fundo. Meus olhos encheram d’água com o coro, que esbanjava talento e fervor: vozes  incríveis, afinação impecável. Se Nietzsche não acredita em um Deus que não dança, no Harlem um que não canta está fora de questão.

Tive a impressão de que quase todos se conheciam, pela maneira amistosa com que se tratavam – como de costume em comunidades religiosas.  O que me impressionou foi a maneira como eu fui tratada. Nunca na minha vida fui tão bem recebida em um lugar em que eu era uma estranha. Sem nenhum exagero, fui cumprimentada (e cumprimentei) quase todas as pessoas com quem fiz contato visual. As saudações variavam desde um simples menear de cabeça, um leve sorriso, até um “Como vai você?” e “Bom dia!” – assim mesmo, com exclamação. Uma senhora mais animada fez tudo isso e ainda me tascou um abraço; outra passou por mim e comentou: “Love your hair!”. Conclui que não apenas tinha conseguido me misturar, mas estava sendo confundida com alguém. Até o momento em que foi pedido para que os visitantes levantassem para serem abençoados. Pensei: “Pronto, é agora, vou ser desmascarada”. Quando levantei, o senhor ao meu lado, que já havia me saudado cordialmente, perguntou se eu era mesmo visitante, como se quisesse conferir se eu tinha entendido. Confirmei quase me desculpando, e ele, em reposta, quis saber de onde eu era, até quando ficaria, se a viagem estava indo bem. Ao se despedir renovou os votos de uma boa viagem e retorno breve. No fim do culto, imitando os fiéis fui cumprimentar os pastores e, para a minha total surpresa, um deles e três ou quatro pessoas no caminho me desejaram uma boa viagem. Não era um lugar propriamente pequeno; achei que passaria despercebida e no entanto as pessoas me notaram e me acolheram: também havia um lugar para mim naquela celebração.

Minha mente hiperativa e descrente insiste em encontrar atenuantes para minha empolgação e esse inesperado sentimento de pertencimento. Era uma data festiva, eu estava predisposta a participar e meu inglês deve ter me poupado de partes chatas. Não consigo evitar pensar que num grupo tão coeso há muito controle, como em qualquer grupo, sobretudo os religiosos. E provavelmente se crescesse ali, obrigada a dedicar todas as manhãs de domingo a louvar o Senhor eu acharia tudo muito menos interessante. Mas essas considerações perdem relevância diante das lembranças marcantes daquele domingo.  Além da música incrível, a beleza do culto repousa também na interação entre os membros e no ambiente amoroso ali estabelecido. Naquela igreja, em que vivi o sentido literal da palavra congregação, não me senti uma turista: fui recebida como uma sister, sem ter me esforçado para isso. Pensei em muitos amigos que eu gostaria que vivessem essa experiência e em outros que jamais poderão. Saí de lá não convertida, mas comovida, certamente abençoada; caminhei pelas ruas largas do Harlem descortinando sua história, observando as pessoas, sentindo suas vibrações. Com um profundo sentimento de gratidão pela oportunidade de estar ali. Amem!.

2014-05-18 14.03.49   2014-05-18 15.21.072014-05-18 14.17.52

Helê

Vastas frustrações e pensamentos imperfeitos, paródia mal ajambrada de um título apenas perfeito. Ando assim esses dias, irritadiça, triste, desesperançada, assustada com a idade e suas consequências, tanto as palpáveis quanto as imaginárias. Ao contrário do que disse T., eu sou toda emoção, não raro acachapante, que vai direito do coração pros olhos, liquefeita. A razão intervém sim, do coração para os dedos, é na escrita que ela se impõe, interpela, interrompe e muitas vezes emudece os sentimentos porque exige ordem e lógica onde sobram som e fúria, ordem nenhuma vige. Queria muito escrever como a Marina W., como quem anda de bicicleta e vai comentando a vida que vê e que sente. Também a Angela Scott  escreve de um modo solto e aparentemente leve, mas pleno e fundo, apenas sem peso. Tem a Fal, mas aí elevamos a categoria a níveis que, francamente, não são pro meu bico. Ela tem uma escrita que, quando quer, flana; você lê sem nenhum esforço e quase sem compromisso, mas depois percebe que ficou um perfume tatuado na sua pele. O que quero dizer é que queria ser capaz  de escrever de um jeito espontâneo e menos cerebral, pelo menos deve vez em quando, que desse conta dessas coisas que sinto e percebo e não  assentam num texto quadradinho com começo meio e fim como eu costumo escrever, domando as emoções, maltratando o  português e apanhando de volta. Porque, veja, eu hoje vi a lua mais linda no céu, vermelha imensa, e soube que o moço divertido se matou; encontrei com a amiga querida numa estação de metrô improvável que me deu notícia de outras, e eu senti ainda mais saudade e um tanto de culpa de não estar mais presente. Meus amigos andam fazendo 50, 70 anos, olha que incrível,  e eu celebro com eles verdadeiramente emocionada; M. é mais novo que eu e sofreu um derrame, que angústia. Mas não consigo encarar com otimismo meus 45 que se avizinham e me assombram. Corri 21km na orla do Rio de Janeiro, uma benção, uma façanha, mas ninguém me esperou na chegada, e isso não devia ser mais importante que correr pela primeira vez 21km onde quer que fosse. Quando corri 5km, três dias depois, foi cansativo e surpreendente: eu não havia adquirido superpoderes. Encontrei na rua com alguém que não via há 20 anos e recebi um abraço caloroso, honesto, nada protocolar. Depois, o constrangimento próprio desses encontros; uma coisa afetou a outra mas não sei exatamente como. Se tivesse fingido não ver, como pensei em fazer, evitaria o embaraço, mas perderia o abraço; no fim acho que deu certo. Os alemães entenderam tudo: somos uns carentes, a gente quer ser amado, antes de tudo; perdoamos até goleada. Detesto correr percursos de ida e volta, me manda ir em frente que eu sigo nem tão lépida mas certamente faceira – e isso deve querer dizer alguma coisa, mas a grana não dá nem pro sofá novo, imagina pra terapia. Vejo os documentários sobre o cosmos e o universo como um bandigente inteligente que eu gosto e admiro, como a Tina, Cynthia e a já citada Fal, mas quando assisto eu só penso em poesia, acho tudo irremediavelmente mágico e metafórico, embora eu saiba que é ciência, talvez devesse ser mais séria e reverente. Taí uma coisa que eu tenho dificuldade até de escrever, sempre me parece que comi umas letras e escrevi irreverente errado. A foto da vó argentina e do neto eu chorei nas primeiras 12 vezes que eu vi, e ainda hoje se eu olhar sem preparo não garanto nada. Ando tão a flor da pele que qualquer post de internet me faz chorar .

Helê

Pais

a592ebc61eea2eb4996bea568ad641ea

Senator John F. Kennedy plays peek-a-boo with daughter Caroline

9a1c8ce4d77e1308e0c8b6dc8cf04bea

d88dea91c641bda98bb5e0a791a10676

(Encontrado em cinemamonamour.tumblr.com)

269e679f36b163ea9e70f8c9a5950933

(Encontrado em talented10th.tumblr.com)

Helê

21.1 km – Meia Maratona

tumblr_mr6vaaPOJm1qdaehgo1_1280
(Do Tiny parts of large loves)

I believe I can fly.

 

Helê

 

Tears of joy

Não lembro exatamente quando, mas foi há muito tempo. Eu ainda ouvia rádio – porque havia estações de rádio para serem ouvidas (suspiro) – e amava aquela voz forte, límpida e amorosa, mas não sabia quem era. Cada vez que tocava eu ficava atenta para entender o nome da música ou da artista; custou mas cheguei a Tuck & Patti e “Tears of Joy” – o que ainda não era muito naqueles tempos sem Google (eu disse que foi há muito tempo). Perguntava em toda loja de discos em que entrava (sim, já existiram lojas de discos, seus incréus), mas ninguém conhecia. Até o dia em que, numa viagem a São Paulo, entrei numa loja especializada e cara e achei o cd da dupla, a voz excepcional de Pat Cathcart e o violão inconfundível de Tuck Andress. Comprei na hora, apesar de ter causado um rombo no orçamento.
cd-tuck-and-patti-tears-of-joy-windham-hill-jazz--15647-MLB20106906229_062014-F
Depois disso ainda encontrei um ou outro álbum deles, mas sempre nas seções de importados, fora do meu alcance$. Com a internet, no entanto, ficou mais fácil acompanhá-los e ouvi-los (“Contra burguês baixe mp3!”). Eles nunca estouraram, mantiveram uma carreira sólida e coerente sem chegar propriamente ao estrelato – o que, a meu ver, não tem absolutamente nada a ver com a qualidade excepcional do som que fazem.

Corta para maio de 2014: eu no quarto de hotel em Nova York, lendo a Time Out como todo mundo me mandou fazer para ver o que estava rolando na cidade. Musicais para todos os gostos, meu futuro marido em cartaz numa peça (para quem estranhamente ainda não sabe: Denzel Washington será meu marido, nesta encadernação ou na próxima), mil opções. Folheio a parte de casas de jazz, gênero que eu gosto mais do que conheço. E dou de cara com um tijolinho que tenho que ler duas vezes pra ter certeza: Tuck & Patti no Blue Note, na semana seguinte. E eu ainda estaria na cidade. Era num bom horário. E cabia no orçamento. A pessoa pessimista pensou: “Mas vai ver não tem mais ingresso, vai lotar…” Falei com a concierge do hotel, que tentou ligar para fazer reserva mas ninguém atendeu. Ok, tento mais tarde, pensei, já achando que era muito bom pra ser verdade. Dias depois, andando pelas imediações da Washington Square dei de cara com o Blue Note. Assim, sem procurar, sem olhar no mapa, sem ter a noção de que estava tão perto. E a bilheteria estava aberta, então pude fazer a reserva.
No dia do show, cheguei cedo e por isso pude perambular pelos quarteirões próximos. Imperava um clima de celebração, várias turmas comemoravam o fim do curso universitário na festa de formatura mais legal que eu já vi: na rua, com barraquinhas, música, gente fantasiada, jovens de beca, pais sorridentes, um clima festivo de expectativa e esperança. Aguardando um sinal para atravessar a rua, reparo em uma mãe e o filho, negros, ela com um bottom enorme na lapela, distribuído pela organização do evento: “I’m a proud parent of a NYCU graduate”. Não resisti a lhe dizer: “Congratulations!”; ela agradeceu, ainda mais orgulhosa.

DSC03847 DSC03855
Contei tudo isso só para explicar porque, quando Pat entrou no palco do Blue Note aquela noite e soltou a primeira nota, acompanhada pelo primeiro acorde do Tuck, eu não segurei as lágrimas, my tears of joy. Eu não apenas estava em Nova York – uma frase que pareceu improvável por muito tempo. Eu estava no célebre Blue Note assistindo ao show de Tuck & Patti. Foi um sonho que se realizou sem que eu sequer o tivesse sonhado. E foi melhor do que eu poderia antecipar. A voz de Pat ao vivo envolve, aquece e conduz você por onde ela quiser, nem tente resistir. Não bastasse isso, ela é uma intérprete carismática, divertida, presença a um só tempo doce e radiante. Tuck e seu violão fazem a moldura perfeita para ela, são coadjuvantes à altura da protagonista. A reserva estava ok, sentei em uma mesa próxima ao palco com duas israelenses simpáticas (uma delas apaixonada pelo Brasil que até arriscou umas palavras em português!); o táxi da volta foi eficiente e honesto, deu tudo rigorosamente certo. A night to remember, indeed.

DSC03858

Helê

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 1.438 outros seguidores

%d bloggers like this: